Dia Mundial da Infância: o futuro depende das nossas crianças e as nossas crianças dependem de nós

No dia 21 de março foi comemorado o Dia Mundial da Infância, tendo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) incentivado a sua criação, com o objetivo de conscientizar pais, responsáveis e governantes sobre a importância de garantir uma boa formação social, educacional e de valores para as crianças.

A aproximação dessa data comemorativa traz consigo inúmeras reflexões, tais como: atualmente, como está a situação das crianças do nosso país? O que nossos governantes estão fazendo por elas? O que nós como cidadãos estamos fazendo? O que de fato pode e deve ser feito para garantir a infância que nossas crianças merecem?

É importante que saiamos da bolha na qual vivemos e olhemos a realidade de perto e sem filtros. Hoje, no país, milhões de crianças não têm acesso à educação, saúde de qualidade, alimentação digna e segurança, com isso, a sua infância fica totalmente comprometida.

Infelizmente, é comum andarmos nas ruas das nossas cidades e nos depararmos com crianças nos sinais pedindo dinheiro, vendendo bombons, engraxando sapatos por alguns trocados – isso não é o que as nossas crianças merecem e temos a responsabilidade como seres humanos de lutarmos diariamente para mudar essa realidade.

Uma criança que perde a sua infância perde também a sua pureza, a alegria, e a humanidade perde um cidadão capaz de realmente mudar o mundo, tendo em vista que é nessa fase em que temos a formação do nosso caráter, criamos memórias que levaremos para o resto de nossa vida.

Você já parou para pensar no que acontece com uma criança que desde cedo só conhece dor e sofrimento? Obviamente essa criança tem menos chances de ser um adulto próspero se comparado com uma criança que viveu a sua infância de forma tranquila e com saúde emocional.

É verdade que a União, os estados e os municípios brasileiros vêm criando políticas públicas voltadas para a proteção e garantia das crianças, mas, entendemos que há muito a ser feito na prática e para visualizarmos melhor, vamos dividir alguns pontos:

  1. Educação: É preciso maior investimento na educação, em muitas localidades não há escolas próximas e nem vagas para todos, o que aumenta a evasão escolar;
  2. Alimentação: A fome mata muito no Brasil, por isso, é importante aumentar o investimento em recursos para garantir merenda escolar de qualidade e farta, bem como a alimentação das nossas crianças fora das escolas;
  3. Saúde: O acesso à saúde garante crianças saudáveis, sendo um dos pilares fundamentais para a proteção delas;
  4. Segurança: Conviver em ambientes seguros evita traumas desnecessários e aumenta muito as chances dessas crianças se tornarem adultos prósperos e cidadãos de bem;

Esse são pilares extremamente importantes nos quais devemos nos basear, mas, não podemos esquecer que crianças são simplesmente “crianças”, portanto, precisam desfrutar da infância em sua plenitude. Brincar, se divertir, aprender, estudar e conviver socialmente, esses são pontos importantíssimos e que precisam ser valorizados e garantidos, sendo primordial a revitalização de espaços públicos para lazer e outras atividades.

Cabe também a todos nós, como adultos e responsáveis, a garantia da infância saudável para as crianças do nosso país, do nosso estado, da nossa cidade e do nosso bairro. Amor, compaixão e ação são molas propulsoras para transformarmos a vida de quem está a nossa volta, e sem sombra de dúvidas, podemos afirmar que o futuro do mundo depende das nossas crianças e, hoje, as nossas crianças dependem de nós.

Fernanda Gomes – Vereadora do Solidariedade por Teresina – Piauí

Matéria transcrita do site do Solidariedade Nacional